quinta-feira, 14 de abril de 2011

SONETO INCERTO


Foi em setembro que chorei a vida
e em passos tortos pus-me a caminhar,
vesti o futuro, saga prometida,
quis a centelha perdida no ar.

Verti meu pranto numa despedida,
rumo ao incerto que ousei buscar.
Se alguma vez eu me senti vencida,
só foi o tempo de recomeçar.

E nesse quanto de emoção sentida,
os meses desfilaram devagar,
no afã das perguntas repetidas.

Confesso que não sei quantas feridas
tiveram de, sozinhas, se curar,
pra ver o novo ponto de partida.

Basilina Pereira

Nenhum comentário:

Postar um comentário