sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Imenso amor


No recôndito de minh’alma

amo-te, sem utopias

sou poeta sem destino

desbravando palavras

colorindo, versos de amor


Em doce enlevo, traduzo

minha essência que a ti

pertence...

Sou alma, coração, corpo...

tudo em tuas mãos...


Amor desmedido, fecundo

inventa novas alquimias

com prazer, desperta sonhos

doces momentos de magia

transcendem a realidade...


O destino sempre será tua estrada...

Abrigo de mansidão tornando

a vida oceano pleno...

imensidão em que se perder

faz-se vital...


(Van Alburquerque e Cida Luz)

3 comentários:

  1. AMO VCS DUAS,SENSIBILIDADE A FLOR DA PELLE...PARABÉNS!!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Gostei, tá...! Maravilha!Os dois são poetas mesmos.Uma inspiração.

    ResponderExcluir